Venda de bens penhorados pelos bancos: o que você precisa saber?

6 minutos para ler

Criar dívidas, especialmente com instituições bancárias, pode fazer com que os bens do devedor sejam penhorados para servirem como pagamento. Isso ocorre pois deixar de cumprir com as obrigações financeiras faz com que o inadimplente seja alvo, de uma execução fiscal e tenha seus bens móveis ou imóveis penhorados.

A crise que se instaurou no Brasil nos últimos fez com muitos bens fossem penhorados. Então, é justamente nesse momento que o comprador que busca por bons negócios deve agir a fim de aproveitar a oportunidade para comprar imóveis com ótimos preços de mercado.

Se você tem interesse pelo assunto e deseja saber como funciona a venda de bens penhorados pelos bancos, acompanhe o post para conhecer todos os detalhes. Confira!

Como funciona o processo da venda de bens penhorados pelos bancos?

A penhora acontece quando um devedor tem os seus bens tomados para efetuar o pagamento de uma dívida que não foi quitada em tempo hábil.

Para tanto, pode haver um processo judicial em que o juiz emite uma decisão estabelecendo que o oficial de justiça apreenda determinado bem a fim de garantir o pagamento da dívida.

Nesse sentido, é possível que sejam penhorados diversos bens até atingir o valor necessário para que a dívida seja quitada, sendo que a quantia pode incluir, inclusive, os gastos que o credor teve com a abertura do processo quando a penhora for realizada judicialmente.

No entanto, existem alguns bens que podem ser levados a leilão sem necessidade de um processo judicial, como quando há alienação fiduciária — situação em que a propriedade do imóvel fica com o credor e o devedor só recebe a transferência efetiva da posse após a quitação da dívida — e também nos casos de joias deixadas nos bancos como forma de penhor.

Após a referida penhora, ocorre a venda dos bens penhorados para que a instituição bancária os transforme em dinheiro, uma vez que os bancos precisam arranjar uma forma de o débito ser liquidado e não há como adquirir os recursos financeiros com os imóveis parados. Por essa razão, há interesse em vendê-los o mais rápido possível.

Para que o procedimento seja mais rápido, por vezes são organizados leilões. Nesses casos, há um valor mínimo para venda que, em regra, se baseia na quantia que o devedor tem em dívida. Ou seja, o valor pedido pelo imóvel pode ser inferior ao seu preço real, porque o banco deseja apenas recuperar a quantia referente à dívida.

Apesar de, em geral, ser utilizada a referida regra para definir os valores dos imóveis penhorados, também é possível determinar o valor de um imóvel com base nas suas características.

Em quais situações é possível adquirir bens penhorados?

Como falamos, após um bem ser penhorado pela instituição bancária, ocorre a sua venda. Confira como adquirir esses bens!

Leilões

Nos leilões, ocorre a venda de bens penhorados pelos bancos e, muitas vezes, eles são vendidos por um valor bem abaixo do preço de mercado. Essa modalidade é uma boa alternativa para as pessoas que estão dispostas a tomar alguns cuidados, afinal, não é à toa que os preços dos imóveis leiloados são mais baixos.

O maior risco nesses casos é o tempo que você pode demorar até conseguir residir no imóvel. Tal situação ocorre porque muitas propriedades que vão a leilão ainda estão ocupadas pelos seus antigos donos.

Ao arrematar em um leilão, o vencedor recebe uma carta de arrematação para solicitar que o atual morador do imóvel desocupe o bem. Entretanto, se ele não sair, há a possibilidade de ter que recorrer à justiça para que o antigo dono saia do imóvel.

Os leilões, apesar de ocorrerem com certa frequência, não têm um período determinado para acontecerem. Por isso, o ideal é acompanhar os sites sobre o assunto para saber quando são anunciadas novas datas.

Financiamentos

Durante a venda de bens penhorados pelos bancos, quando a pessoa não tem o valor total para adquirir o imóvel imediatamente, é possível pedir um financiamento ao banco em questão.

Em geral, os bancos costumam conceder os financiamentos, entretanto, é possível que em alguns casos isso não ocorra.

No caso de leilões de imóveis, é possível que os bancos solicitem um valor de entrada para que financiamento seja concretizado. É válido ressaltar que essa situação não se verifica em todos os bancos e leilões, portanto é preciso ficar atento às condições do leilão antes de arrematar um imóvel.

Portal das finanças

Muitas vezes, a venda dos bens penhorados pelos bancos é realizada online, por meio de portais da internet. Quando esse procedimento é feito dessa maneira, não costuma haver um espaço físico a que seja possível se dirigir para analisar o bem.

Assim, para participar desse tipo de venda, o ideal é acompanhar os portais referentes ao assunto. Em alguns casos, é possível encontrar no próprio site das instituições bancárias uma área correspondente ao tema.

Após entrar em contato com o responsável pela venda do bem penhorado, é possível que o comprador solicite visitas aos imóveis que o interessem.

Vale a pena adquirir um bem que foi penhorado?

Em geral, em razão do valor mais baixo de um imóvel penhorado, costuma valer a pena a sua aquisição desde que o comprador tome alguns cuidados para que a compra seja bem-sucedida e que ele esteja disposto a encarar alguns riscos.

Para evitar problemas, o comprador deve verificar se o imóvel está desocupado, pois, caso não esteja, é provável que não seja possível visitá-lo antes de fechar o negócio. Além disso, é possível que o adquirente tenha que entrar com uma ação para despejar o morador, o que causaria um custo adicional. Por isso, o ideal é arrematar um imóvel que já está desocupado.

Outro ponto que deve ser observado é o estado de conservação do imóvel, uma vez que em alguns casos é preciso realizar uma reforma completa no local antes de habitá-lo.

Como vimos, a venda de bens penhorados pelos bancos é capaz de proporcionar diversas vantagens aos seus compradores, já que é possível adquirir imóveis com excelentes preços em leilões.

Entretanto, é preciso que alguns cuidados sejam tomados e que todos os custos sejam analisados no momento da compra para que o novo proprietário não tenha prejuízos. Dessa maneira, para que nenhum equívoco seja cometido, o ideal é contar com uma assessoria jurídica qualificada no momento da compra.

Se você tem alguma dúvida sobre o tema, nós podemos ajudá-lo. Entre em contato conosco e daremos todo o suporte necessário! A nossa equipe está à sua disposição.

Posts relacionados

Deixe um comentário

× WhatsApp